A Voz dos Reformados - Edição n.º 171 Maio/Junho 2021 - Page 8

Últimas
8 A Voz dos Reformados | Maio / Junho 2021

Últimas

Palavras de Paz

Palestina vencerá !

A Palestina voltou a dar que falar : pelo drama humano em que vive o seu povo , oprimido , humilhado , massacrado , mas também pelo exemplo de heroísmo e dignidade que sobressai da sua resistência . Durante 11 dias , os bombardeamentos israelitas sobre a Faixa de Gaza provocaram mais de 200 mortos , 67 dos quais eram crianças , milhares de feridos e desalojados . Visaram edifícios de habitação , escolas , bibliotecas , centros médicos , centrais de energia . Como se afirmou bem alto nas múltiplas ações de solidariedade , em Portugal e um pouco por todo o mundo , não há ali nenhum conflito , mas uma ocupação , um massacre ! Para além dos bombardeamentos aéreos , as últimas semanas ficaram ainda marcadas pelo avanço do processo de expulsão de populações palestinas de Jerusalém , no bairro de Sheik Jarrar , para aí instalar colonos israelitas . Trata-se de um novo passo de um objetivo antigo dos sionistas , iniciado em 1948 , naquela que os palestinos registam como Nakhba ( Catástrofe ). Também as provocações de setores extremistas do sionismo , com a cobertura de militares e polícias israelitas , contra palestinos muçulmanos e cristãos contribuíram para o agravamento da situação . Particularmente grave foi a limitação do acesso à Esplanada das Mesquitas – onde se encontra Al Aqsa , terceiro local mais sagrado do Islão – em pleno Ramadão . Longe de serem acontecimentos isolados , os episódios dos últimos dias representam a escalada da agressão do Estado de Israel contra o povo palestino e os seus legítimos direitos nacionais , só possível com o apoio dos EUA ( que ainda há dias aprovaram nova venda milionária de armas a Israel ) e à cumplicidade da União Europeia e da generalidade dos seus governos , incluindo o português . A esta nova ofensiva respondeu uma vez mais o povo palestino com coragem e determinação – em Gaza , Cisjordânia e Jerusalém . O futuro Estado da Palestina nascerá da sua unidade , resistência e luta . O CPPC empenhou-se na elevação da solidariedade com o povo palestino promovendo , juntamente com outras organizações , várias ações públicas , que reuniram milhares de pessoas . Continuar e reforçar esta solidariedade é determinante para pôr fim aos massacres e à opressão , o que só será possível pondo fim à ocupação que as promove . O Encontro pela Paz de 5 de Junho próximo , em Setúbal , será mais um momento para a expressar

Luta vai continuar em defesa da ADSE

O Conselho Geral e de Supervisão da ADSE discutiu , no dia 1 de Abril , o parecer sobre a proposta de Revisão das Tabelas do Regime Convencionado . O documento foi aprovado com os votos contra dos representantes dos sindicatos da Frente Comum e do MURPI .
No Conselho Geral e de Supervisão os representantes dos sindicatos da Frente Comum e do MURPI não concordaram com o aumento da comparticipação direta dos beneficiários no preço das consultas , facto que foi considerado inaceitável dada a saúde financeira atual da ADSE ; a situação de grande incerteza económica , social e sanitária de grandes repercussões e incertezas como a que vivemos ; a situação da generalidade dos salários e das pensões não terem tido actualização nos últimos anos – com excepção para os escalões de rendimento mais baixos ; os trabalhadores da Administração Pública e aposentados terem visto o desconto para a ADSE aumentar

Encontro pela Paz em Setúbal no dia 5 de Junho

No dia 5 de Junho , o Fórum Luísa Todi , em Setúbal , acolhe , a partir das 10h30 , o Encontro pela Paz , promovido pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação , em conjunto com diversificadas organizações sociais que , na sua prática quotidiana , tomam clara e inequívoca posição pública contra a guerra e manifestam sincera determinação em defender os valores da paz . Às 17h00 terá lugar um desfile pela paz na cidade . O Encontro – que irá funcionar em plenário , sendo convidadas a intervir organizações e personalidades sobre a defesa da paz e / ou acção desenvolvida ou a desenvolver neste âmbito – realiza-se em torno de três temas centrais : Paz e desarmamento ; Cultura e educação para a paz ; solidariedade e cooperação . Sob o lema « Pela paz todos não somos demais », a iniciativa surge na sequência do anterior Encontro pela Paz , realizado em 20 de Outubro de 2018 , em Loures . para 3,5 por cento sobre 14 meses ao ano . Estes representantes dos trabalhadores e dos reformados , pensionistas e idosos informam que nas intervenções cirúrgicas às cataratas , a ADSE comparticipava as lentes a 100 por cento . Com as novas tabelas passará a comparticipar com apenas 250 euros , independentemente do respetivo valor das mesmas . « A ADSE não vive – nem está próximo disso – uma situação de insustentabilidade económica , apresentando mesmo sucessivos saltos positivos », acentuam os sindicatos e o MURPI ,
acrescentando : « a ADSE é hoje um Instituto do Estado suportado pela contribuição de 3,5 por cento dos salários e pensões dos trabalhadores e aposentados , aplicados a 12 meses do ano ao subsídio de Férias e Natal . Receitas de milhões que integrando o Orçamento do Estado não devem ser aproveitáveis pelo Estado .» A luta vai continuar com os representantes dos beneficiários a exigir a retoma do processo de regularizações junto dos prestadores e a exigir ao Governo o ressarcimento à ADSE pela política social que esta está a financiar .