A Voz dos Reformados - Edição n.º 167 Edição n.º 167 - Page 3

Em foco
Setembro / Outubro 2020 | A Voz dos Reformados 3

Em foco

MURPI na ação nacional da CGTP-IN

Lisboa
A Confederação Nacional de Reformados , Pensionistas e Idosos – MURPI integrou a ação de luta nacional da CGTP-IN , realizada no dia 26 de Setembro , com manifestações e concentrações em várias cidades do País , sob o lema « Aumentar os salários ! Desenvolver o País ». « Abolição das taxas moderadoras nos
Setúbal

A Cidadania dos Idosos

Joaquim Gonçalves
No dia 28 de Setembro foi inaugurada a exposição comemorativa do 50 .º aniversário da CGTP-IN
serviços de saúde !», « Aumentar as pensões , melhorar as condições de vida », « Direito a envelhecer em habitação condigna », foram algumas das reivindicações trazidas pelo MURPI . As iniciativas – dos setores público e privado – decorreram com o distanciamento necessário e o respeito pelas regras de segurança sanitárias por causa da COVID-19 . Na resolução apresentada , a Intersindical reafirma , entre outras medidas , que é urgente aumentar os salários e as pensões ; aumentar significativamente o salário mínimo nacional ; valorizar carreiras e profissões ; garantir a segurança no emprego ; dinamizar a contratação coletiva .
A Revolução de Abril assegurou o direito de todos os trabalhadores à reforma , após uma longa vida de trabalho , para ter direito e oportunidades de realizar atividades , que não de natureza profissional , que lhes permita uma vida calma e a fruição cultural ou desportiva e lúdica . Os problemas dos idosos e a elevação da sua qualidade de vida atravessam de forma transversal todos os domínios da intervenção local : urbanismo ambiente , espaços verdes , educação , cultura , desporto , ação social e mobilidade . Promover um verdadeiro diagnóstico das necessidades de serviços públicos na saúde , segurança social , rede de equipamentos e serviços de apoio aos idosos , transportes públicos de qualidade , entre outros ; envolver os próprios reformados , pensionistas na exigência de concretização do papel do Estado nestes domínios é fundamental , sem prejuízo dos projetos municipais que enquadram e complementam a intervenção do Estado Central e que é preciso valorizar . A promoção das universidades seniores , bem como o apoio às associações de reformados nas suas atividades lúdicas e culturais dirigidas ao conjunto dos sócios e aos reformados da sua zona de intervenção , assumem uma clara prioridade . A contribuição do Estado à eliminação das barreiras arquitetónicas é uma questão fundamental não só para uma população cada vez mais envelhecida , mas igualmente para todos que tenham uma mobilidade reduzida . A mobilidade do idoso passa em primeiro lugar por ter direito a uma boa saúde , ter acesso aos cuidados continuados de saúde e ao Serviço Nacional de Saúde sem constrangimentos de ordem financeira . Por outro lado , face ao envelhecimento crescente da população , há que estudar e implementar um sistema de assistência médica própria para os mais velhos , que permita um aumento médio de anos de vida sem problemas de saúde , adiar os problemas de saúde na velhice , com ganhos económicos evidentes para o Estado e para as famílias . A cidadania dos idosos tem que ser ampliada e reforçada porque não se pode ignorar que a pessoa idosa necessita de ter a sua autonomia e que é titular dos seus direitos e deveres perante toda a sociedade .

E D I T O R I A L

O aumento das pensões é necessário para proteger reformados , pensionistas e idosos

Em tempos de pandemia surgem vozes em defesa e proteção das pessoas idosas . Em nome da sua defesa preconiza-se o confinamento e o isolamento . Em seu nome , levantam-se vozes na defesa e proteção das pessoas idosas nos lares . Esta epidemia expôs a situação de graves carências vividas pelas pessoas idosas . A luta que o MURPI protagoniza defende o direito a envelhecer com direitos para garantir a dignidade de envelhecer . Torna-se necessário que ao aumento médio da esperança de vida corresponda a defesa de melhores condições de vida , o direito a uma saúde melhor e o respeito pela autonomia social e financeira dos que envelhecem ; não podemos aceitar o recurso permanente à caridade pública e à indigência permanente . Sabemos que 80 por cento dos valores das pensões pagas às pessoas idosas não ultrapassam o valor do limiar de risco de pobreza , que se situa 501 euros . É do nosso conhecimento que a grande maioria das pensões recebidas não garantem o sustento alimentar , nem medicamentoso , nem energético , nem o acesso a bens essenciais à existência de uma vida condigna . Os tempos que vivemos são dramáticos pelas consequências sanitárias , económicas e sociais resultantes da pandemia ; nestas circunstâncias temos de zelar por aqueles que nestas situações são tratados desigualmente . É importante combater todas as formas de pobreza e as situações de exclusão social . É necessário garantir o poder de compra e melhorar os rendimentos de todos e em especial da grande maioria dos reformados , pensionistas e idosos . O aumento das pensões não só vai garantir a melhoria do poder de compra como é um meio de combate à pobreza com grande incidência na população idosa . A melhoria dos rendimentos dos reformados permitirá assegurar os meios necessários para o combate à doença e ao sofrimento . Simultaneamente , defendemos , a par da melhoria dos rendimentos , a assunção de outras medidas na área da proteção social que contribuam para a melhoria das condições habitacionais , o acesso generalizado ao Complemento Solidário para Idosos e de todos os outros apoios sociais destinados à proteção da velhice . A Confederação MURPI reivindica e exige que o próximo Orçamento do Estado contemple medidas que garantam o aumento das pensões dos reformados , pensionistas e idosos para melhor protegerem as pessoas idosas .
Casimiro Menezes